sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Resenha: O Lado Feio do Amor

    Olá, leitores! Tudo bom? Como eu disse no último quote da semana, não gostei nem um pouco de O Lado Feio do Amor e me sinto na obrigação de dizer a você porquê.


Título: O Lado Feio do Amor
Subtítulo: inexistente
Escritora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 332

Sinopse:
Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo... apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor. O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.


   Quando eu comprei o livro, não fazia a menor ideia do que se tratava a história. Não tinha lido a sinopse e minhas amigas leitoras disseram que eu amaria. E... não foi o que aconteceu. Também não conhecia a escrita da autora; foi o primeiro livro que li de sua autoria e, em partes, foi decepcionante.
    Colleen Hoover escreve de forma envolvente e muito encantadora, sempre mantendo aquele desejo incontrolável de saber como tudo acaba, o que tornou o livro menos pior para mim. "Mas, Hellen, foi tão ruim assim?" Bom... foi.
    Sou muito ativa em discussões sobre liberdade, relacionamentos abusivos e empoderamento feminino, por isso vi mil e um defeitos na forma como a Colleen colocou "o lado feio do amor". Por exemplo, depois desse acordo (leiam a sinopse), relata-se um relacionamento totalmente carnal, o que daria numa boa história SE não fosse obsessivo. Mas é. Tate faz mestrado em enfermagem, mas isso só é citado uma vez no livro. O futuro dela, os desejos, os anseios, nada disso é demonstrado. Ela só pensa no Miles, em como gosta de estar com ele, em como ele é misterioso, em como ele é calculista, em como ele não quer que ela faça parte de sua vida, em como ela só pensa nele. Enquanto ele continua levando a vida da mesma forma com uma única diferença: agora sabendo que sempre terá uma transa garantida.
    Miles é uma pessoa misteriosa e que não gosta de falar do seu passado por causa de um acontecimento que o fez sofrer demais e, por motivos de spoiler, não posso contar aqui. Esse mistério só é desvendado no final da narrativa de maneira muito rápida, o que me fez pensar que a autora queria 'se livrar' do trabalho, o que piorou o que já estava ruim. O outro ponto negativo disso é: na finalização do livro, a autora usou essa dor dele para justificar a forma como ele trata a Tate, o que é um absurdo sem tamanho, até porque todos sofrem por N motivos durante a vida, e usar o sofrimento passado para inocentar os erros não é aceitável.
     "E como ele a trata, Hellen?" Ele é bem indiferente em relação aos sentimentos dela, eles transam e aí ele vai embora satisfeito sem se importar em como ela está (em termos emocionais), ele aparece quando quer e depois age como se ela não fosse ninguém, em certos momentos ele é carinhoso e faz com que ela esteja em sua vida, em outros ele briga com ela por quebrar a regra do acordo e tentar fazer parte da vida dele, ou seja, é um grande babaca.
    As pessoas com quem conversei sobre o livro disseram que gostaram dele simplesmente porque Miles só agia dessa forma por amor (?) e que, mesmo Tate sofrendo, eles continuaram juntos. Isso seria muito fofo. Mas não é. Sabe por que? É típico de relacionamento abusivo a pessoa se sentir culpada e até merecedora da dor, achar que nunca vai ser feliz sem a outra pessoa e abrir mão de seus interesses pessoais para viver pela outra pessoa. Quem está num relacionamento assim precisa de AJUDA. Isso não é fofo. Isso é doentio. Isso é desastroso. Por fim, o lado feio do amor pode estar relacionado a brigas, a desentendimentos e términos; mas nunca (repito: NUNCA) a abusos psicológicos e situações de humilhação, como tem demais no livro. Até quando as pessoas vão romantizar relacionamentos assim? 

Espero que tenham gostado! Beijinhos ♥

Nenhum comentário:

Postar um comentário